O Sistema Cantareira atingiu 44% de armazenamento nesta sexta-feira (29). Este nível é menor do que em 2013, pré-crise hídrica, quando operava com 65%.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) garante que situação está sob controle, mas especialistas ouvidos pelo UOL apontam complicações para o futuro e não descartam uma nova crise.

A companhia informa que desde 2014 (ano em que se iniciou uma grave crise hídrica no estado de São Paulo) já investiu R$ 7 bilhões, distribuídos entre quase 1.000 obras de melhoria do abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo, que inclui o Sistema Cantareira.

De acordo com Marco Antonio Barros, superintendente de produção de água da Sabesp, são duas as principais obras: a interligação Jaguari-Atibainha e o novo Sistema São Lourenço. A primeira conecta duas regiões em pontos diferentes do estado e, caso preciso, pode enviar até 162 bilhões de litros de água por ano no sentido do Cantareira. Já o segundo abastece a Grande São Paulo com oferta de água tratada em até 6,4 mil litros por segundo e cobre cerca de 10% do consumo.

Interligações entre reservas

Na prática, segundo Barros, as interligações entre reservas ajudam a desafogar o Cantareira porque a água vem de mais lugares. O bairro da Mooca, na zona leste da capital paulista, por exemplo, é abastecido por quatro sistemas diferentes. Para o superintendente a capacidade de flexibilidade do sistema é um dos três pontos principais do por que a situação atual não é preocupante como no período pré-crise. Os outros dois são recuperação de água perdida e economia da população.

A Sabesp afirma que também tem investido na área de perda durante a distribuição. “Atualmente, conseguimos recuperar cerca de 6.000 litros por segundo da água que antes era perdida”, afirma Barros.

De acordo com Pedro Côrtes, geólogo e professor da Universidade de São Paulo (USP), as melhorias “são um alento, mas, na prática, apenas correspondem ao crescimento da população e,  sozinhas, não evitam a crise”. Para o geólogo, é possível que, se as chuvas continuarem escassas, tenhamos uma situação crítica até o final do ano ou começo do ano que vem”, afirma diz.

Nova crise hídrica

Para Samuel Barrêto, gerente nacional de água da ONG internacional The Nature Conservancy, apesar de o abastecimento ter melhorado, “com mais segurança, com a transferência [de água entre reservas] e com os dois novos sistemas”, o risco de uma nova crise hídrica existe e ainda há muito a avançar, apesar das obras da Sabesp. “A gente fica no limiar entre a oferta e a demanda”, afirma.

O problema, segundo Barrêto, está na lógica empregada pela companhia, visto que “trazer novos sistemas e transferir mais água tem seu limite”. “Se o nível continuar [a cair], podemos atingir uma situação crítica”, adverte.

Como sugestão de atitudes a serem tomadas, o especialista argumenta que a companhia deveria investir mais na despoluição de represas, em reformas para evitar vazamentos das redes de distribuição e cuidar melhor dos mananciais por uma questão de economia. “Nova York não tratou os seus mananciais porque é chique, mas porque é seis vezes mais barato do que tratar a água depois”, explica.

Alternância períodos

Apesar das ressalvas dos especialistas e de haver um alerta, o superintendente da Sabesp afirma que “estamos muito longe de uma crise hídrica”, já que o nível dos reservatórios vai de 0% a 100% e quase metade ainda está disponível. “[O nível de armazenamento] está baixo, mas o reservatório foi construído para operar desta forma, considerando alternância períodos”, explica.

De acordo com Barros, a empresa busca sempre incentivar o consumo moderado, apesar de ter abrandado as regras usadas em época de crise. “Hoje há a diminuição da pressão só no período da madrugada como parte do programa de redução de perdas”, afirma Barros.

Os três concordam, no entanto, que parte da solução passa pelo consumo racional de água. “As pessoas e os prédios devem cada vez usar água de reúso. Em casa, pode-se usar a água de lavar roupa para fins menos nobres, como lavar o chão, por exemplo”, sugere Barrêto.

Influência do clima e do tempo

Segundo o geólogo Pedro Côrtes, o sistema é especialmente afetado por dois motivos: é o principal abastecedor da Grande São Paulo (o que se traduz em um consumo maior do que os outros) e a sua localização geográfica. “É preciso evitar desperdício a qualquer custo. Nosso sistema é dependente do clima e não dá para negociar com a chuva; precisamos pensar nisso no dia a dia”, explica.

As previsões climáticas na região não são muito animadoras. De acordo com o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec/Inpe), a situação de seca deverá se manter no próximo trimestre (de julho a setembro) na região Sudeste, com possibilidades de chuvas esporádicas, o que seria uma “anomalia positiva”.

Segundo o superintendente da Sabesp, é normal que haja uma queda no nível no período de estiagem. “Desde a primavera do ano passado estamos tendo chuvas irregulares, com meses muito abaixo da média histórica”, argumenta. Em abril, por exemplo, o Cantareira recebeu um nível de chuva de 22,4 milímetros, quando a média para o mês é de 86,6 milímetros, segundo medições da companhia.

Diferentes condições

“Três meses ruins não são eternos”, afirma o executivo. “Uma situação climática crítica não necessariamente se transforma em crise de abastecimento, as condições hoje são totalmente diferentes.”, completa.

Barros explica que, diferentemente de 2014, a Sabesp está preparada para este tipo de crise e, por isso, não seria nem comparável a situação atual do Sistema com a época pré-crise. “Em 2013 estávamos preparados para uma condição, [a crise] aconteceu. Agora, estamos preparados para uma condição crítica como aquela”, afirma.

Para o superintendente, os hábitos dos consumidores em período de crise foram incorporados ao dia a dia, com uma diminuição de 20% na conta média do cliente em comparação com 2014, o que resultou em uma economia de 10 mil litros de água por segundo, segundo a empresa, uma economia de 10 mil litros de água por segundo. “Antes da crise, o consumo era de 33 mil litros por segundo, hoje são 23 mil litros por segundo. As pessoas estão usando de acordo com as suas necessidades, mas [de forma] racional”, afirma.

FONTE UOL: Sistema Cantareira atinge nível menor do que em 2013; Sabesp nega crise – Notícias – Cotidiano

Specialty chemicals company Lanxess has launched new Lewabrane Ultra Low Pressure (ULP) line for removing micropollutants in water treatment. These ULP elements display higher water permeability than the standard elements, while offering the same high level of rejection of critical substances. The company has also doubled its capacity of producing membrane.”We have expanded the capacity of our plant in Bitterfeld so that we can continue meeting the rising demand for reverse osmosis membrane elements. This step makes us even more attractive as a supplier to major customers,” said Jean-Marc Vesselle, head of the liquid purification technologies business unit at Lanxess.

Lanxess has been continuously expanding its line of membrane elements since production began in September 2011 and the products were introduced to the market in early 2012. Today, numerous types of Lewabrane elements are available in different sizes, which can be optimised for high fouling resistance, high energy efficiency or high performance.

Production of membrane elements for the Lewabrane line is a multi-stage process. It begins with the fabrication of a thin-film composite membrane comprising several individual layers. A polysulfone base layer and an active filter layer are applied on a nonwoven base substrate. The filter layer is made of polyamide and applied in a complex coating process. Produced as flat components, the reverse osmosis membranes are then wound by fully automated autowinders into spiral-shaped elements. This design helps to conduct untreated water towards the membrane surface and to collect the permeate (filtrate). In addition to the membrane elements plant, Lanxess also operates the world’s largest plant for monodisperse ion exchange resins in Bitterfeld.

Lanxess will also exhibit at Aquatech 2017 which will kick off from October 3, 2017 in Amsterdam. It will showcase its Lewatit-brand ion exchangers, its Lewabrane line of reverse osmosis membrane elements and its Bayoxide iron oxide adsorbers for water treatment. “As one of the world-leading suppliers of products and solutions for water treatment and purification, we support our customers in managing scarce water resources as efficiently as possible. Our products meet the highest German and international production and quality standards. At Aquatech, we want to demonstrate our competence as an experienced, all-around supplier to a broad, international, professional public,” said Vesselle. (RR)

 

Clipping from:  fibre2fashion.com

Ultrafiltration (UF) is more popular than ever for many kinds of water treatment. It has steadily gained momentum over the past 15 to 20 years, especially for more challenging types of feed water such as surface, waste and sea water. Among other applications, inge® UF can be used as a pretreatment process for reverse osmosis (RO). Its highly robust Multibore® membranes provide better water quality than conventional methods, and the modules offer an unparalleled service life.

A piped water supply from the municipal waterworks is an expensive option for Brazilian businesses and industrial concerns. Getting connected to the mains costs between eight and 20 times more than drilling a well and treating the water, especially with the availability of treatment methods such as ultrafiltration membranes, which reliably remove particles, bacteria and even viruses from the water.

Puri Azul, an appointed distributor for inge® products in Brazil, builds UF systems to desalinate and purify seawater and brackish water with a combination of UF and RO. Recent examples include systems in Rio de Janeiro (UF capacity of 240 m³/day) and São Paulo (180 m³/day). These treatment plants can produce one cubic meter of water at a lower cost than the same amount piped from a waterworks.

To demonstrate the benefits of UF – including outstanding performance and consistently high-quality treated water – inge® and Puri Azul offer potential customers the opportunity to run their own pilot project. More than a dozen waterworks all over Brazil have already taken up this offer, and the results look promising. www.inge.basf.com

 

Clipping From:  WaterWorld.com

Prezados clientes e parceiros,

 

É com extrema satisfação que escrevo hoje para informá-los que nosso site está disponível em português. Visite nos em www.inge.basf.com e conheça nosso expertise em ultrafiltração – Produtos e Serviços baseados na excelência Alemã em tratamento de águas – Agora em sua língua nativa!

 

A retenção confiável de partículas, bactérias e até mesmo vírus é algo essencial, independentemente do tipo de água que deseje tratar. Quando se trata de produção de água potável ou proteção de sistemas de osmose reversa (RO), as membranas de ultrafiltração da inge® são a escolha preferida – Essa é sua garantia de água limpa.

 

Entre em contato conosco. Nós o ajudaremos a encontrar a solução adequada para sua aplicação, seja a água a ser tratada proveniente de manancial superficial ou poço, água de processo, água residual ou pré-tratamento para dessalinização de água do mar.

 

Para atendimento no Brasil, por gentileza contatar o Sr. Liutas Martinaitis Ferreira, Diretor Comercial da Puri Azul – Soluções Ambientais, no telefone +55 11 23059531 ou e-mail liutas@pazul.com.br. Para atendimento em outras localidades, por gentileza clique aqui.

INGE AG

Aguardamos seu contato.

Atenciosamente,